Yto Barrada: brinquedos, fósseis, histórias – e o modernismo

casa_de_serralves_4

Casa de Serralves

Artigo original aqui.

Esta casa foi o sonho de um homem, rico industrial de boas famílias que, mesmo empregando arquitetos e decoradores famosos (José Marques da Silva, Charles Siclis, Émile-Jacques Ruhlmann e outros), dela foi o verdadeiro obreiro. A construção duraria vinte anos e Carlos Alberto Cabral, segundo conde de Vizela, que a concebera para a sua esposa Blanche Daubin, não morou nela muito tempo: revendida, em seguida comprada pelo estado, recentemente restaurada, ela foi o núcleo da fundação de Serralves (Porto), que consagra aliás atualmente uma exposição a esse respeito na biblioteca da mesma.

casa_de_serralves_3

Casa de Serralves

Mesmo se o mobiliário foi disseminado há muito, ficamos marcados pela radicalidade moderna destes halls magníficos de tons suaves, pelas imensas janelas envidraçadas que dão sobre um jardim entre o rigor de Versalhes e os jogos de água andaluzes, pela frieza elegante das portas, das balaustradas, dos lavatórios (numerosas fotografias aqui e ali), em suma, pelo que é um hino ao modernismo triunfante.

novo_arquitectura_168867545350edaa13560df

Casa de Serralves

O Museu (que dispõe igualmente de um espaço museológico mais clássico) decidiu apresentar neste lugar exposições que, de uma maneira ou outra, poderiam nele encontrar uma ressonância, e a sua diretora teve a coragem, para esta primeira edição, de arriscar expor não um ícone do modernismo mas uma artista contemporânea que o questiona e revisita através de um prisma político e, diria eu, pós-colonial.

reprendre-casa

Yto Barrada, Reprendre Casa, Carrières Centrales, Casablanca, foto M. Lenot

Sigo o trabalho de Yto Barrada de há dez anos para cá (e depois, e também, et caetera). Era para mim, antes de mais, uma mulher de geografia, falando de território e de habitantes, vivendo então ao pé de um estreito, lugar de passagem, de trânsito, de contrabando e tráfico, revelando as errâncias e as fendas de um mundo dividido entre Norte e Sul: no seu trabalho, muitas vezes comovente, via as fronteiras, os exílios, as esperanças de hoje em dia. Será porque ela trocou, há pouco tempo, Tanger por Nova Iorque (ou simplesmente porque não vi algumas das suas mais recentes exposições pessoais)? Fui tocado nesta exposição (até ao dia 20 de Setembro) por uma nova dimensão histórica que veio sobrepor-se a esta geografia. Aqui a história convida-se, aqui ideias e artefactos circulam de uma era à outra, aqui as épocas amalgamam-se e os motivos são reapropriados noutros lugares, mais tarde.

ASM YTO BARRADA

Yto Barrada, Salon Marocain, Serralves, vista de exposição, foto Adriano Miranda, Público

ASM YTO BARRADA

Yto Barrada, Tapis

Esta circulação das formas no tempo e no espaço afirma-se desde que entramos na casa, onde o olhar, quando se consegue desligar das formas do edifício inundado de luz e da beleza do jardim através da imensa janela envidraçada, descobre deitados no chão três “quadros” modernos, abstratos, três tapetes de formas geométricas puras e coloridas que evocam irresistivelmente os construtivistas ou Abstraction-Création, movimentos com os quais se pode imaginar que o segundo conde de Vizela estivesse familiarizado. São tapetes tecidos por mulheres de Tanger, com motivos inspirados de Sophie Taeuber-Arp: este trajeto da Suíça ao Rif, de Tanger ao Porto, dos anos 30 aos dias de hoje, funciona aqui como um primeiro sinal de uma mobilidade, de uma deslocação que toda a exposição vai realçar. Revê-los a partir da balaustrada do primeiro andar, daí transformados em quasi-quadros, reforça essa impressão.

ASM YTO BARRADA

Yto Barrada, Jouets Nord-africains

Deslocação também presente nos brinquedos de crianças berberes feitos com praticamentejouets-3nada, um calhau, uns raminhos, um bocadinho de tecido, que certos etnólogos mais ou menos coloniais/orientalistas recolheram (no Aurès para o que concerne a trágica Thérèse Rivière, então ajudada por Germaine Tillion, mas também em Marrocos noutros casos) e que, tendo durante muito tempo dormido nas caves do Museu do Homem, reaparecem no Quai Branly (aqui sob coberto de “feminismo”): Yto Barrada fotografou-os cuidadosamente sobre fundo neutro, azul ou amarelo, frontalmente, brutalmente, dando-lhes assim uma dimensão estética que vai muito além do seu peso histórico. Nas suas fotografias, alguns pequenos calhaus em formade dromedários ou palmas trançadas têm a beleza de esculturas minimais, independentemente do seu uso inicial, da sua época e do seu lugar de origem. E, diante das pequenas bonecas berberes, podemos apenas pensar em Paul Klee (imagens aqui).

20150609_190411-2-e1434154714284

Yto Barrada, Plumbers’ Assemblages, Tangiers, foto M. Lenot

Mobilidade estética nestas estranhas esculturas modernistas que a artista coleciona, e cujas fotografias frias, quase como as do casal Becher, se alinham numa parede no primeiro andar: não são objetos somente inúteis mas igualmente prestigiosos que os canalizadores ambulantes que oferecem os seus préstimos na famosa praça do Grand Socco em Tanger confeccionam com os seus restos, durante os seus tempos livres para exibir a sua mestria. Talvez não seja mais do que um piscar de olho, que uma simples coincidência visual através de épocas e de terras, mas este bricolage encontra acentos evocadores de Julio Gonzalez, por exemplo.

ASM YTO BARRADA

Yto Barrada, Reprendre Casa, Carrières Centrales, Casablanca

E quando Yto Barrada revisita um território, aqui o bairro Carrières Centrales de Casablanca, é para mostrar como esta arquitetura (de Michel Écochard e do grupo GAMMA) que, então, queria inspirar-se do vernacular, do quotidiano, do humano (com prejuízo de arquitetos então mais distantes destes terrenos), mas que no entanto permanece fria, moderna, vigiada, podendo ser vista como colonial, tendo sido posteriormente reapropriada pelos habitantes, entre construções selvagens, antenas de satélite, novas janelas, fios para estender a roupa, pequenos jardins, como uma forma pragmática de revolta cidadã, de digestão do modernismo, mas também de tensão entre decrépito (do moderno) e luxuriante (do “tropical”).

20150609_190636

Yto Barrada, Lying Stones, 2015, foto M. Lenot

Por fim, sendo talvez, deste ponto de vista, a parte mais forte da exposição, um placard envidraçado da sala de jantar da casa (onde os espelhos criam sem cessar falsas escapatórias visuais, muitas vezes perturbantes) foi transformado em vitrine museológica, albergando dois fósseis improváveis: o paleontólogo saberá imediatamente que estes insectos, escorpiões e trilobites, nunca coabitaram, mas mesmo o beócio interrogar-se-á diante do carácter um pouco kitsch, demasiado delicado, demasiado perfeito destes belos fósseis, antes de descobrir a presença do molde ao lado.

faux

Yto Barrada, Faux Départ, 2015, still vídeo

O trabalho pelo qual Yto Barrada ganhou o Prémio Abraaj (recordação), e que será em breve mostrado integralmente na sua galeria londrina, é também um trabalho sobre a história e a sua reapropriação: para além destas “pedras mentirosas”, consiste num filme sobre o fabrico em Marrocos de falsos fósseis para o mercado. É um filme de “making of” e de bricolage, onde ferramentas rudimentares e vetustas são expostas como para uma inspeção, onde as práticas e modos de emprego dos falsários são detalhadamente descritos e catalogados: a combinação de produtos químicos, de saber artesanal e o talento de copista permite produzir tanto amonites como dinossauros. Aqui, utilizamos um escorpião verdadeiro (morto) que moldamos para produzir um fóssil, num espantosa interpenetração temporal; noutra cena um homem manipula uma pedra numa espécie de incubadora isoladora, com luvas passando pelas aberturas, como um irrisória preocupação de perfeição. As falsificações alinham-se nas prateleiras. Reproduzindo um passado (longínquo), estes artesãos falsários inserem-se numa economia que ridicularizam. Mostrando este filme, e os seus artefactos, Barrada insere-se numa problemática bem mais larga, a da verdade, do museológico, do estético, do moderno. Toda esta exposição é assim um questionamento do modernismo.

Print Friendly, PDF & Email
PartilharEmail this to someonePrint this pageShare on Google+0Share on LinkedIn0Share on Facebook0Share on Tumblr0Tweet about this on TwitterPin on Pinterest0